Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

A fanática

Rasgando a roupa, o rosto; destruindo as unhas no piso e arrastando-se pelo chão, a mulher gritava desvairadamente por causa do fogo do inferno que se originava em sua cabeça, escorria pelo nariz e inundava o ambiente fechado.
A vergonha já ia entrando pela porta da frente, olhando para todos os lados, degustando cada segundo. O fanatismo já estava espalhado pelos telhados das casas vizinhas quando a razão despontou em um flash.
Com a faca na mão, preferindo um filho morto a ter que aceitar os fantasiosos erros que criou em sua mente fanática, os seus olhos esbugalhados finalmente vislumbraram a irrealidade de deus que aceita sacrifícios humanos à redenção que pode advir de uma mudança real- quando esta se faz necessário.
A vizinhança, de ouvidos atentos, não ouviu mais os berros. Recomposta, com as unhas sangrando, ela recolheu-se à sua vergonha e ao seu quase ato ignominioso.
A madrugada adentrou-se na negritude e o silêncio caiu sobre todos.
Até mesmo sobre aquele deus.

Últimas postagens

Cabelo de putinha

O natal da Professora Decadente

Doce Dezembro

Ilícito

El Rey de la Habana

A prisão dos fracos

Um ego doente

Um cínico diferente

Um número apenas

A moeda e a flor